Brasil vota novamente contra Israel na Unesco e ignora laços entre judeus e Jerusalém

No Brasil, a Frente Parlamentar em Defesa da Vida e da Família da Câmara dos Deputados manifestou seu repúdio em relação à postura do presidente Michel Temer.

Vista aérea mostra Cúpula da Rocha, Monte do Templo e Muro das Lamentações na Cidade Velha de Jerusalém. (Foto: Reuters/Eliana Aponte)
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

A Organização das Nações Unidos para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) aprovou, em uma reunião em Paris, a controversa resolução que retira a soberania de Israel sobre a cidade de Jerusalém.

O texto que indica que Israel não tem direitos legais ou históricos sobre Jerusalém foi aprovado por 22 países, incluindo Brasil, Rússia, China, África do Sul, Nigéria, Irã, Paquistão, Vietnã e outros países árabes. Dez países votaram contra a resolução, como Estados Unidos, Alemanha, Itália, Grã-Bretanha, Holanda, Grécia, Paraguai e Ucrânia.

Assine o Blesss

A votação da resolução, que coincidiu com a comemoração do Dia da Independência de Israel, indica que o Estado judeu é uma “potência ocupante” em Jerusalém, alegando que a nação não tem vínculos jurídicos ou históricos sobre qualquer parte da cidade.

A resolução também critica o governo israelense pelos projetos de construção na Cidade Velha de Jerusalém e em locais sagrados de Hebrom, na Cisjordânia, além de pedir o fim do bloqueio de Israel em Gaza.

Esta versão, no entanto, foi ligeiramente menos severa do que as resoluções anteriores, já que o atual documento reconhece a importância da cidade para as “três religiões monoteístas”. Além disso, a atual resolução não se refere ao Monte do Templo e ao Muro das Lamentações com os nomes muçulmanos.

Logo após a votação, o embaixador de Israel na ONU, Danny Danon, se pronunciou sobre a resolução. “Esta decisão tendenciosa e descaradamente mentirosa, e as tentativas para disputar a ligação entre Israel e Jerusalém, não irão mudar o simples fato de que esta cidade é a capital histórica e eterna do povo judeu”.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu também criticou duramente a resolução da Unesco. “Não há nenhum outro povo no mundo que vê Jerusalém como um lugar tão sagrado e importante como o povo judeu. Nenhuma reunião realizada na Unesco poderá tentar negar essa verdade histórica”, disse ele. “Denunciamos a Unesco e defendemos a nossa verdade, que é a verdade”.

No Brasil, a Frente Parlamentar em Defesa da Vida e da Família da Câmara dos Deputados também manifestou seu repúdio em relação à postura do presidente Michel Temer.

“Não podemos aceitar qualquer medida que seja contrária ao povo de Israel, e ao seu legado histórico de contribuição para a humanidade, e por consequência para os cristãos”, afirmou o deputado federal Alan Rick, presidente da Frente Parlamentar.

“O Brasil como um país predominantemente cristão deve se manifestar no sentido de unir forças a Israel em defesa de seu legado histórico, e do respeito ao legado histórico construído pelo povo judeu, e sua imprescindível colaboração com os cristãos no mundo”, Rick acrescentou.

Com informações Guiame

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentários do Facebook