Ministro do STF compara José Dirceu a Jesus Cristo para justificar soltura

“Só o Filho de Deus pode ser manso como um cordeiro”, disse ele a seus pares

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) tomou uma decisão nesta terça-feira (25) que surpreendeu boa parte dos brasileiros. Aqueles que estavam acostumados a ver nos últimos meses uma série de criminosos “do colarinho branco” serem presos e condenados em meio as investigações da Lava Jato, testemunharam uma drástica mudança quando viram o STF determinar a soltura do ex-ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu.

Condenado pelo “mensalão” e posteriormente duas vezes pela Lava Jato, o petista estava preso em Curitiba desde agosto de 2015.

Votaram a favor do habeas corpus os ministros Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes, enquanto o relator Edson Fachin e Celso de Mello votaram pela manutenção da prisão.

Nas duas sentenças de Sérgio Moro, Dirceu foi condenado a mais de 30 anos de prisão por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa. O argumento do STF, é que a prisão definitiva só seria possível após a condenação em segunda instância, sendo que esse julgamento ainda não tem data para acontecer.

Embora o magistrado tenha reconhecido a gravidade dos crimes investigados na Lava Jato, Gilmar Mendes advertiu para o possível erro de juízes ao cederem à pressão popular, citando o jurista italiano Gabriel Zagrebelsky, critico à forma como o povo judeu condenou Jesus Cristo à morte.

Na argumentação de seu voto, o ministro comparou o caso de Zé Dirceu com o julgamento de Jesus, “que ficou em silêncio até o fim”. “Só o Filho de Deus pode ser manso como um cordeiro”, disse ele a seus pares.

Com informações G1, Antagonista e Gospel Prime.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentários do Facebook