Igreja Católica rompe com Maduro e denuncia ditadura chavista

Importante mediadora no conflito entre o governo e a oposição na Venezuela, igreja católica diz ter apoio do papa em ruptura

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Tida como um importante mediador político na Venezuela, Igreja Católica caracterizou nesta sexta-feira, 7, o governo do presidente Nicolás Maduro como uma ditadura e declarou-se contrária à eleição, em 30 de julho, de uma Assembleia Nacional Constituinte. A Conferência Episcopal Venezuela (CEV) também informou que pretende apoiar, com apoio logístico, a consulta informal organizada pela oposição sobre a nova Carta.

“Essa Assembleia prevista para o final de julho será imposta à força e o resultado serão a constitucionalização de uma ditadura militar, socialista, marxista e comunista”, disse o monsenhor Diego Padrón, presidente da CEV. “Já não há conflito ideológico entre direitas e esquerdas, e sim uma luta entre um governo convertido em ditadura e todo um povo que clama por liberdade.”

Assine o Blesss

O prelado advertiu que a Constituinte permitirá a permanência ilimitada do atual governo no poder e a anulação dos poderes públicos, como a Assembleia Nacional, de ampla maioria opositora.

A CEV autorizou, além disso, que locais pertencentes à Igreja, com exceção dos templos, sejam usados para um referendo simbólico da oposição no dia 16 de julho para rejeitar a Constituinte. Ainda de acordo com Padrón, a visão da CEV está em “plena comunhão” com a do papa Francisco.

Primeiro pontífice latino-americano da história, Francisco tem acompanhado a crise na Venezuela, que começou na mesma época de seu pontificado. Maduro e outros líderes chavistas tratam o papa argentino com reverência, em virtude de sua origem sul-americana e sua pregação em prol dos pobres. Estima-se que 78% dos venezuelanos sejam católicos.

O chavismo apresenta a Constituinte como a solução para a crise política e econômica do pais. À medida que ela se aproxima, no entanto, cresce a oposição na sociedade venezuelana à proposta.

Dentro do chavismo há dissidências, a maior dela capitaneada pela procuradora-geral Luisa Ortega Díaz, que rompeu com o governo em abril. No Exército, ao menos 123 militares já foram presos desde o começo do protesto por se opor à repressão. Prefeitos e líderes chavistas de baixo escalão também tem sido alvo de retaliações por romperem com a cúpula.

A coalizão opositora Mesa de Unidade Democrática (MUD) disse que o referendo informal perguntará se a população concorda com a Constituinte e se quer a realização imediata de eleições diretas. Segundo a aliança, além da Igreja, universidades em todo o país ajudarão na votação, proscrita pelo governo.

Pressionado, com uma impopularidade de 80% e com sete em cada dez venezuelanos contrários à Carta, segundo o instituto Datanálisis, Maduro disse na quinta-feira que pretende obrigar os funcionários públicos – 2,8 milhões num país de 30 milhões de habitantes – a votar na escolha da Constituinte. Muitos dizem que pretendem anular o voto.

Com informações da AFP e Estadão
Imagem: Reprodução

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentários do Facebook