Feminista promete transformar seu filho de 3 anos em uma princesa

Mãe diz que essa transformação ocorrerá, mesmo que o menino não queira

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

As feministas de esquerda (perdão pelo pleonasmo) estão se transformando numa paródia do seu próprio movimento. E o fenômeno é mundial.

Os vizinhos ao norte da América estão tendo seus próprios problemas com as feministas da terceira onda, a mais radical. Uma escritora canadense de esquerda teve um colapso quando percebeu que seu filho queria agir como um menino. Ela está forçando-o a ter aulas de balé para puni-lo por suas “microagressões” masculinas.

O Daily Wire, de Ben Shapiro, conta que a colunista canadense e feminista orgulhosa Leah McLaren afirmou que vai transformar o pequeno filho “em uma princesa orgulhosa, quer ele goste ou não”. O menininho tem apenas 3 anos de idade. A reportagem segue:

McLaren não pode lidar com a realidade de que seu filho de três anos, James, é muito masculino; ele não gosta de flores bonitas, o filme de princesa “Frozen”, ou picolés rosas. Claramente, o jovem James tem sido afetado por pressões sociais e normas culturais, ou algo assim, então McLaren decidiu salvá-lo de sua masculinidade tóxica e tudo o que isso implica, forçando-lhe coisas tradicionalmente “femininas”, como coroas feitas de flores e aulas de balé.

Jacob Airey, do Conservative News, comenta: “Isso é estranho. As feministas de esquerda adoram reforçar um estereótipo de uma pessoa. No entanto, esta mãe está forçando o estereótipo de um floco de neve especial do homem beta em seu próprio filho. Esta é uma reação exagerada a um garoto que só quer agir como um homem. Toda a circunstância é muito reveladora não só da McLaren, mas de todo seu movimento de feministas que querem conformidade, não liberdade”.

Quando o garotinho recusou a bela flor como coisa de menina, a mãe surtou, e logo viu um misógino terrível à frente, um incurável machista provavelmente agressor de mulheres, talvez até um muçulmano da Arábia Saudita, quem sabe?! Melhor não falar nisso, pois seria “islamofobia”…

“Você pode pensar que isso não é grande coisa”, ela escreve, “que meu filho está se comportando ‘naturalmente’, mas eu sou automaticamente desconfiada de noções de determinismo biológico. Quando ele me devolve uma flor porque as coisas bonitas são para as meninas, eu penso: o que vem em seguida? Bondade? Decência? Dança?”

A louca feminista simplesmente não aceita quem seu filho é, preferindo transformá-lo em algo que ela mesmo idealiza, um “homem” sensível e afeminado. E nem que seja na marra! Tolerar as diferenças? Nem pensar! Como diz Airey: “Em vez disso, ela está escolhendo bater para fora sua personalidade pela força o alimentando e o condicionando de uma maneira tão áspera”.

A mãe justifica sua atitude bizarra como se fosse amor, ao filho e à tolerância: “Se eu quiser que meu filho ame e respeite as mulheres, eu vou ter que ensiná-lo a abraçar – e idealmente apreciar – coisas de ‘garotas’. É por isso que eu estou tecendo-lhe uma coroa de dente-de-leão e vou inscrevê-lo no balé”. Quanto amor! Quanta tolerância! Airey conclui:

Feministas de esquerda falam sobre não querer forçar um determinado papel de gênero ou estereótipo. Como forçar seu filho masculino a agir conforme aquilo que McLaren acha que é feminino vai livrá-lo disso? Ele tem três anos de idade. Deixe-o ser uma criança e descobrir o que ele gosta por conta própria. Não é isso que as feministas da terceira onda estão implorando para si mesmas?

Mas o autor das críticas pegou leve demais. Concede um debate civilizado a alguém que pretende impor a barbárie ao próprio filhinho, de forma cruel, por conta de uma ideologia nefasta. Foi o primeiro comentário do texto que resumiu melhor a loucura toda: Isso é abuso de menor!

Rodrigo Constantino, na Gazeta do Povo
Imagem: Reprodução Web

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentários do Facebook