“Deus me salvou antes de eu nascer”, diz pastor fruto de um estupro cuja mãe decidiu não abortar

0
409

A vida de um pastor inglês pode ser resumida como a história que transformou uma mulher de vítima em heroína e permitiu um inocente vir à luz. Ele nasceu como resultado de um estupro, e sua mãe decidiu não abortá-lo.

Gary Moore foi criado por sua mãe, ainda jovem, sem nenhum apoio, e a escolha dela em levar adiante a gravidez é vista pelo pastor como um gesto de Salvação da parte de Deus.

Em um depoimento concedido ao Christian Institute, Moore contou que sua mãe foi estuprada aos 17 anos de idade e seus pais não aceitaram a decisão dela em levar a gravidez adiante, e assim, ordenaram que ela saísse de casa.

“Deus salvou a minha vida, mesmo antes de eu nascer”, resumiu o pastor. “[Minha mãe] tomou a decisão de me manter, e isso deve ter sido extremamente difícil para ela, quando existia a opção de me abortar e permanecer em sua casa”, contextualizou.

Segundo o pastor, mesmo com as dificuldades de ser solteira e não ter o amparo dos pais, sua mãe conseguiu criá-lo em um ambiente amoroso: “A impressão que eu tinha dela era que eu era amado e apreciado, não importa o que eu tivesse feito. Ela me amava, independentemente de qualquer coisa”, afirmou.

Até a adolescência, Gary Moore não sabia de que forma ele veio ao mundo. Nessa época, havia dias em que ele flagrava sua mãe olhando fixamente para ele, mas não entendia o motivo. “A partir do momento em que soube de tudo, a minha atitude com ela mudou, porque eu pensei: ‘Uau, que grande mãe ela realmente é. Ela decidiu me manter, apesar de todas as probabilidades, e me amou tanto que não se importou’”, disse.

Feliz pelo presente da vida, ele sabe que jamais poderá retribuir o gesto de sua mãe: “Eu vivi uma vida tão completa… Eu posso olhar para trás e pensar: ‘se eu tivesse sido abortado, nenhuma destas coisas teriam acontecido comigo’”.

Atualmente, Gary, como pastor, aconselha mulheres que passam pela mesma circunstância a manterem seus filhos, mesmo com a lei permitindo o aborto: “Tenha o bebê. Aquela pequena criança, menino ou menina, vai ter uma vida cheia de sonhos, ser capaz de cantar, sorrir, amar. Vamos dar a essa criança o verdadeiro presente da vida, porque vale a pena”, concluiu.

Assista ao vídeo do depoimento de Gary Moore (em inglês):

Gospel+, com informações do The Christian Institute
Imagem: Reprodução Youtube

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentários do Facebook